COTRADO ALAC

“Trabalhadores domiciliares, lutamos unidos e organizados por nossos direitos. A economia é informal, nós somos trabalhadores ”
Coordinadora Regional de Organizaciones de Trabajadores y Trabajadoras en Domicílio em América Latina y el Caribe
(COTRADO-ALAC)

COTRADO ALAC

A Coordinadora Regional de Organizaciones de Trabajadores y Trabajadoras em Domicílio na América Latina e o Caribe (COTRADO-ALAC) é uma rede regional de organizações que promove a unidade dos trabalhadores no domicílio na região da América Latina e do Caribe. Esta organização reúne trabalhadores domiciliários, quer exerçam a sua actividade por conta própria ou por conta própria, organizados de diferentes formas, quer em sindicatos, cooperativas de trabalhadores de economia popular, grupos de trabalhadores, associações, redes ou qualquer outra organização de acordo com a realidade de cada país.

Princípios COTRADO ALAC:

  1. O trabalho domiciliar deve ser reconhecido como trabalho e as trabalhadoras domiciliares devem gozar dos mesmos direitos que os demais trabalhadores;
  2. Não discriminação em razão de gênero, raça, religião, etnia, nacionalidade, idéias filosóficas, militância ou opinião política, orientação sexual, etc .;
  3. Solidariedade com outros trabalhadores e aliados da economia formal ou informal;
  4. Os países devem assinar a Convenção 177 e a Recomendação 184 da Organização Internacional do Trabalho, que estabelecem um quadro de direitos para o trabalhador doméstico empregado que deve ser consagrado nas leis e políticas dos países. Não obstante, o conteúdo de ambos os instrumentos também pode ser utilizado como plataforma de luta dos autônomos;
  5. Os trabalhadores domiciliares têm direito a condições de trabalho e vida decentes, de acordo com as disposições da Organização Internacional do Trabalho OIT, incluindo a Recomendação 204 da OIT.
  1. Aumentar a visibilidade e obter o reconhecimento das trabalhadoras domiciliares e suas formas associativas na região.
  2. Promover a organização de todas as trabalhadoras domiciliares da América Latina e Caribe, coordenando para a unidade, ação e trabalho orgânico. O COTRADO ALAC promoverá a unidade de todos os tipos de organizações de base associada, doravante denominadas OBM, que tenham trabalhadores em casa, considerando a realidade de cada país e suas formas associativas derivadas.
  3. Apoiar as iniciativas dos OBs a nível nacional que visam:
    • Trabalhar para influenciar os governos nacionais a ratificar a Convenção 177 da OIT e a Recomendação 184.
    • Desenvolva leis e políticas para trabalhadores domésticos e suas organizações.
    • Estabelecer melhores condições de trabalho e de vida para os trabalhadores domiciliares e suas organizações.
    • Contribuir efetivamente para reduzir o desequilíbrio entre capital e trabalho e garantir o direito de todos os trabalhadores domiciliares e suas organizações de se organizarem e negociarem coletivamente.
  4. Oferecer atividades de educação e treinamento aos membros em questões relacionadas ao trabalho doméstico.
  5. Envolva-se e promova pesquisas sobre o trabalho doméstico.
  6. Compartilhar experiências, boas práticas e divulgar avanços na organização dos trabalhadores domiciliares: modelos de negociação de estratégias de organização, proteções legais e sociais, campanhas, etc.
  7. Estabelecer relações fraternas e solidárias com as organizações de trabalhadores e organizações sociais.
  8. Representar trabalhadores domésticos e suas organizações em fóruns internacionais.
  9. Promover, defender e garantir o pleno respeito e a ampliação dos direitos políticos de todos os trabalhadores sem distinção.
  10. Promoverá mudanças políticas, sociais, culturais e econômicas que contribuam para o aprofundamento e consolidação do sistema democrático e para um desenvolvimento econômico do país que, com justiça e eqüidade, beneficie efetivamente os trabalhadores domésticos, suas organizações e a sociedade em geral.
  11. Lutará por uma legislação trabalhista e previdenciária que proteja os direitos de todos os trabalhadores. Essa legislação deve contribuir efetivamente para reduzir o desequilíbrio entre capital e trabalho e deve garantir o direito de todos os trabalhadores de negociar coletivamente.
  12. Rejeitará todas as formas de ingerência externa que limitem o direito de autodeterminação dos povos, quer se expresse em formas de militarismo, colonialismo ou perda de soberania derivada da ação do capital internacional; e
  13. Defenderá a manutenção dos sistemas democráticos e da liberdade dos povos, como elemento essencial para alcançar condições de justiça, desenvolvimento econômico e paz social.
  1. Argentina: Federação das Costureiras, Confecções e Têxteis, filiada ao Sindicato dos Trabalhadores na Economia Popular (UTEP)
  2. Brasil: Associação dos Trabalhadores Domiciliares (ATEMDO)
  3. Chile:
    1. Sindicato dos Trabalhadores Luis Gauthier
    2. Sindicato das Trabalhadoras Têxteis de Coquimbo-La Serena - (SIMUTED)
    3. Sindicato dos Trabalhadores Domésticos em Lo Espejo
    4. Sindicato Revolucionário dos Trabalhadores Têxteis SIRETEX
    5. Associação de Mulheres Mapuche, Newen Domo
    6. Coordenadora Nacional de Trabalhadores Domiciliares (CONATRADO)
  4. El Salvador: Sindicato das Mulheres Bordadeiras Domésticas de El Salvador - SITRABORDO
  5. Nicarágua: Confederação dos Trabalhadores por Conta Própria (CTCP) filiada à Frente Nacional dos Trabalhadores (FNT)
  6. Peru: Rede Nacional de Trabalhadores Independentes (RENATTA)
  7. Uruguai: Sindicato Único de la Aguja (SUA), filiado ao Plenário Intersindical de Trabalhadores - Convenção Nacional dos Trabalhadores (PIT-CNT)

Tatiana Rojas

HNI Membro do Comitê Executivo – Santiago, Chile
Email: [email protegido] 

 

Tatiana está ativamente envolvida em trabalhos sociais relacionados a gênero, mulheres, sindicatos e movimentos LGBTIQ+ há mais de 20 anos. Atualmente é membro do Comitê Executivo da HomeNet International e também atua como Presidente e Secretária do Sindicato Luis Gauthier dos Trabalhadores Gays, Lésbicas e Bissexuais, Tesoureira da Confederação Nacional do Têxtil (CONTEXTIL) e Coordenadora do CONATRADO

Edileuza Guimarães

HNI Membro do Comitê Executivo – São Paulo, Brasil
Email: [email protegido]

Edileuza é membro do Comitê Executivo da HomeNet Internacional e Presidente da ATEMDO – Associação das Trabalhadoras Domiciliares de Economia Solidária no Brasil. Com forte engajamento no movimento Economia Solidária desde 2005, ela apoia ativamente trabalhadores de todos os segmentos da economia informal. Edileuza também é membro do Comitê Interino do COTRADO ALAC, contribuindo ainda mais para a defesa dos direitos dos trabalhadores da economia informal.

Outubro de2021

Patricia Coñoman, Conselheira do Município de El Bosque e membro do HNI IWC fala sobre a história das trabalhadoras domiciliares no Chile, suas lutas e conquistas.

cotrado-alac-logo

Fundada:

2017

Contato:

E-mail

Países de origem dos voluntarios:

Argentina, Brasil, Chile, El Salvador, Nicarágua, Peru e Uruguai.

Recursos:

Pesquisar